Arquivo | setembro, 2013
3 set

https://www.youtube.com/watch?v=kx6F1jesJ5o

INHABITADO FOR ÉVA

3 set

\Os dias agora são feitos de cinza. Os dentes feitos de chumbo. Não existem cáries. Nem carros. Os dias agora são feitos de brasa. Nem carros. Bikes. Um tombo que não aconteceu. Um dia que nunca acontecerá.
/Agora eu busco o oposto do negativo para me referir a você, mas não encontro equivalente algum. Do outro lado do vidro da janela as plantas crescem. Elas não contem você. Não precisam de você. O sol, a cada dia que passa, fica um pouco mais. Brotos estouram. Iminenciam o verão. Os dias aquecem. Aquecerão.
\As cidades, quando vistas do alto, são sempre bonitas. Do lado de baixo das nuvens, as pessoas esperamos. Do lado de dentro de mim, o nada acontecemos.
/Prazos explodem. Planos se esvaem. Cordas esperam.
\Enquanto isso, Texas sucks.

image872.jpg

wellcome spring

2 set

disseram que jamais teremos um setembro tão chuvoso. os dias, nos lugares onde estão, mofam. as raízes adquirem certeza. os tomateiros insinuam acontecer. se volto, é para não deixar vestígio algum. nem todas as postagens precisam ser públicas. nem todas as classes precisam conter cerveja. de noite, você sempre extrapola a dose. e sempre acabo sozinho. olhando a cidade. o brilho da cidade. a cor intensa do sol batendo contra o prédio.

em breve você voltará. ou, é tudo sobre não sei o que você ainda faz aqui. os cabelos voltam a crescer. tudo é, de novo, primeira vez. primaverez. primavero. depois tomo uma estrada. planto um chá de sumiço. abro as portas para quem não conheço. a cama. os pratos. os planos de pratos.

de manhã as sombras dançam. os neurônios, desconectados, não precisam de mim para acontecer. tudo é mais bonito nos lugares onde não estou. depois as plantas. o barro. as sementes. tudo brota quando as noites voltam a ser calor. há um verão. iminência. e planos.

e um bloco, dançando dentro de mim.